quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Concluído!! 24km da VII Volta Ilha dos Marinheiros

Olá Amigos,

Faz mais de uma semana, eu sei, que deveria ter colocado o resultado do empenho que escrevi nos posts anteriores, mas tenho 2 desculpas razoáveis.
A primeira é que estou sem internet. Sim, uso uma lesma [leia-se modem] 3G na minha casa e a conta venceu, sem eu receber a cobrança nem nada.. pensei que fosse o mal tempo, que costuma derrubar o sinal.. daí passaram 2 dias e continuava sem conexão.. desconfiei que era a falta da cobrança, que acarretou na falta de pagamento e assim fiquei mais 2 dias sem internet até que o pagamento fosse identificado.

O segundo motivo é a reação, rs. Como vou escrever daqui a pouco, concluí a prova (êee), e isso me levou a uma quebradera que não me incentivavam a escrever, daí achei melhor descansar e analisar melhor o resultado do esforço de uma prova de corrida deste porte.

Então vamos lá:

Medalha dos concluíntes da prova! :D

A noite antes da prova foi tranquila, a previsão do dia seguinte era de Sol e pouco vento.
Acordei, comi 2 bananas, pão de forma branco com geleia e um suco de laranja coado.. coloquei os tênis e as outras peças e fui para a prova que eu pensei começar as 8 da manhã. A prova começava as 9... Acho que seria mais sensato começar as 8 pois o calor é forte neste período do ano. Mas, se tava no regulamento, eu que deveria ter lido melhor. Usei essa uma hora para relaxar a mente em uma espécie de meditação com alongamento leve.

Já alinhados e após o hino nacional (para minha surpresa e não o hino gaúcho), é dada a largada. A grande maioria logo toma a frente, num ritmo forte e antes do 1km sou o último colocado. Nossa, ou a galera é preparada mesmo ou em uma hora terei passado muita gente pois eu já estava dentro do meu ritmo previsto de 6 minutos por quilômetro. Não foi bem o que aconteceu..

Estar bem a frente do carro ambulância, que fica no fim da fila, não é agradável, mesmo na quietude do ambiente desta prova. Ouvia o rodar dos pneus e o ligar e desligar da ventoinha do motor, quase que me forçando a acelerar.. tinha que ficar olhando constantemente para o relógio pois esse ritmo 6 é fácil de se afastar, bastando uma passada um pouco maior ou uma largada para o ritmo subir a 5:30km/min ou cair para 6:30km/min.. E o carro anti-madrinha, nas minhas costas, dificultava a minha constância e concentração.. era preciso colocar alguém entre o carro e eu.. mas quem? Eu conseguia ver 10 atletas à minha frente, relativamente próximos, mas para passa-los iria ter que aumentar em muito o meu ritmo.. tirei a distração concluindo que e a prova é longa, e que teria que passa-los mais para à frente, quando o cansaço assolasse alguém. Minha namorada ia ao meu lado, de bici, me protegendo e passeando.

(Aproximadamente) Meia hora depois de nossa largada, a prova dos 5km havia começado. Seu líder, Marcelo Costa, passou por mim antes que eu cruzasse a marca dos 2,5km. Que velocidade!! Eu continuava em último, com o carro anti-madrinha, mas tinha percebido uma aproximação de dois atletas que estavam a minha frente.

Apenas no quilômetro 5 eu consegui passar atletas para que estes ficassem entre mim e o radiador da ambulância. Que alívio! Com isso a prova ficou muito melhor para mim.. pude começar a controlar a respiração e apreciar mais o "passeio". Quando cruzei o quilômetro 8, tomei o carbo-melado e ganhei, junto com água, morangos dos cultivadores da ilha. Que delícia!

Continuei eu e a Keith por mais 6 quilômetros, sem outros atletas ao meu lado.. quando então um dos atletas que eu havia passado conseguiu me alcançar tomou a dianteira. Graças a deus o outro amigo corredor estava lá trás com o pessoal médico. Fiquei na cola deste amigo por um bom tempo. Cruzei o meio da prova, 12km, com ótima tranquilidade cardíaca  O calor estava intenso pois já eram 11 horas (com céu azulão) e os joelhos começavam a querer leve atenção, mostrando algum indício de cansaço. Meu amigo começou a acelerar seu ritmo e eu fui ficando para trás, ainda mantendo o 6km/min.

Mais uns 4 quilômetros à frete e eu havia conseguido passar mais dois atletas, estes sim vencidos pelo cansaço.. Continuei constante mas o calor havia intensificado, pois agora a ilha nos "protegia" da leve briza que soprava do outro lado.. Logo passei mais um atleta e notei que a parte da frente da planta do pé, mesmo bem protegida num tênis semi-novo, começava a doer levemente.

Na marca do km 18 comecei a notar mais uma dificuldade. Meu sensor já marcava 19,8km percorridos.. poderia ser erro da placa.. ou poderia ser o relógio.. quem saberia.. alguém andou comendo mosca, como se diz por aqui. Minha namorada fez um ótimo comentário neste ponto, pois agora eu enfrentaria a dificuldade de correr os 5km finais com um cansaço similar ao que ela sentiu quando concluiu os primeiros 5km da prova de São José do Norte. E sei que ela estava correta no comentário.

Na placa do km 20 notei que os joelhos estavam mais "colados" e não deixavam minha perna flexionar por inteiro, em um movimento mais natural. Aqui passei mais um atleta que também estava exausto e, como eu, tinha uma pessoa de bici para acompanhar..

Segui no meu ritmo mas a dificuldade estava intensa. O calor do meio dia fritava-me. Onde está o fim?? No meu relógio eu cruzei os 24km antes da placa dos 23.. Nossa, que eternidade. Já não conseguia mais saber o que doía mais, os pés, os músculos da perna ou o joelho. CADÊ O FIM, pensava.

Cruzei a chegada! Na verdade seria cruzamos pois eu tive muita ajuda da Keith, que ficou ao meu lado, vagarosamente, por toda a prova. Nossa, que gratificante! De acordo com o reloginho, fiz 2 horas e meia de exercícios a um ritmo de 5 minutos e 55 segundo por quilômetro, totalizando 25,5km. Não sei quem errou.. não importava na verdade pois havia concluído a meta que queria!

Meu sogro estava na chegada e analisou que a minha posição era 60, de 65. Ótimo pois não sentia nenhuma dor assim, que me derrubasse! Mas espantoso para o grande número de atletas fundistas! 
E, terminada a prova, me sentia ótimo, indo pegar bananas e água a disposição, na linha de chegada.

resumo da VII volta Ilha dos Marinheiros

O que pude notar durante a prova foi que, de alguma forma, a dieta e a preparação podem ter ajudado a concluir a prova. Notei que até o km 18, aproximadamente, meu corpo estava em ótimo condição muscular e que, até o final da prova, não pensei em parar. A água fornecida a cada 3 quilômetros, mais 2 gels de carboidrato, mais um isotonico e o suporte de minha namorada ajudaram em muito, claro.. mas a situação com que cruzei a prova foi muito boa. Fiz 25,5km em um ritmo (pouco) menor que o previsto e que minha frequência cardíaca esteve dentro dos limites aeróbicos desde o km 2 até o fim da prova.

Não pretendo me esforçar em outra prova longa nos próximos 6 meses. Pretendo voltar a natação e tentar incluir um pouco de bicicleta.. triatlon? Não! quero apenas fazer os 3 esportes juntos, como esporte apenas e não competição.

Obrigado por acompanhar-me,
Obrigado pessoal da ACORRG
Até a próxima!