quarta-feira, 8 de setembro de 2010

La playa, Los amigos, Los perros, La Paloma

Feriados são tipicamente brasileiros! Simplismente são!! Qual outro lugar se "emenda" uma segunda-feira para aproveitar até o fim de terça-feira? A resposta, já aviso, eu não sei.. não sei se existe algum outro país que faça igual.. esse raciocínio é tão brasileiro que penso que o Brasil, além de ilha, pois só aqui se fala português na América, é feito de espécimes diferente, mais preguiçosas.. mas isso não vem ao caso!

O que ocorre é que o feriado de 7 de Setembro, Independência, foi na terça-feira e, muito antes disso, um mês para ser exato, nós começamos a convocar amigos para a mais tradicional migração que gostamos de fazer.. ir rumo sul, 450km para baixo, até a latitude -34,66 em pleno (fim de) inverno!

Confirmar a presença de 8 ou mais amigos em uma migração como está é complicado.. é do tipo matemática impossível, com 1 equação de 8 incógnitas.. existem infinitas soluções ou simplismente não a há... o que quero dizer é que vários imprevistos a que nós mesmos nos levamos a ter, dos 8, embarcamos apenas 1, o qual pegamos no meio do caminho! Mas, o que parece ser um cenário ruim, rapidamente se torna bom! Com espaço de sobra, um outro melhor amigo do homem pôde ir, um não, dois!! Os cães foram também, sem saber ao certo se teriam seus vistos negados na fronteira com o vizinho Uruguay.
as rodas pretas são homenagem à Pedro Smith

Assim, nós, cães e Mauro, nos encontramos no Chuy, para um almoço em família, algumas compras e, "brasilis feriadum prolongatas"!! Cruzamos a fronteira tranquilamente! Com a apresentação da maledeta carta verde e, dezenas de papéis burocráticos, não sei se "cocada" e "rapadura" foram vistos dentro do porta malas, pela aduana uruguaia mas, como eu não falo espanhol, não tinha como avisar, sabe? Enfim, isso empolgou a todos:
130 km após a fronteira, por uma estrada praticamente vazia, se chega a La Paloma, sem pedágios ou trânsito (e em pleno feriado!!). Você já deve ter me ouvido (lido) falar deste lugar! É tudo de bom! Posso tentar escrever milhões de palavras, certas e erradas e em diferente idiomas que não ia adiantar.. precisa ir lá pra ver e, de preferência, com sol e no inverno. O risco é querer ficar. E isso passa na mente, pode acreditar!!

Só não vou fazer mais propaganda hoje para não lotar a praia.. e virar piscinão!

Bem, nossos anfitriões são Flopy e Guille, antigos amigos de Mauro! Eles sabem que tem a "vida" de poder morar e trabalhar em La Paloma e, com uma casa sobre o mar, nos receberam para 3 noites de "brasileños" bagunçeiros, cozinhando, bebendo e, arranhando o portunhol como todos nós achamos que fazemos bem!!

Claro que não há amizade que aguente muito, nem casal que permaneça unido, quando a bagunça alheia rola solta!! A gente sabe disso! Guille e Flopy também! Então, sem pedir muito, digo, bem, "pedimos" para pousar na casinha deles, que, Eu e Keith, achamos perfeita pois tem jardim nos fundos para os cães, lareira e vista para o mar!

Um feriado prolongado, de Sol e praia, lembra para muitos à muvuca com farofa!
Aqui seria igual, não fosse pela própria muvuca e farofa.. Sol, praia e, as ruas da cidade, num típico dia de semana (pois o feriado e no Brasil e não no UY).

Margaritas & pastas e Sol & praia fazem qualquer humanóide feliz com a vida! É tudo mais simples.. e isso nos mostra que, aos viajantes quadrupedes, mesmo provando pouco disso, aproveitaram a falta de coleiras para avacalhar, digo, passear pela praia!

Mas é preciso esperar, pacientemente...

Existem singularidades no Uruguay.. uma delas é poder ver o Sol nascer, não que seja diferente mas, porque gosto e, porque é lá..

Outra singularidade é o uniforme da escola pública (de segunda a sábado).. jalecos brancos! Parecem pequenos químicos! E, de certa forma, representa a disciplina deles frente as aulas!

E mais outra singularidade é a música brasuca, da casa sem paredes, muito engraçada, construída com esmero e tal...  pois ela existe:

É tudo muito "fique aqui mais um dia"... dá pra entender não é?
Que tal a vista da casa de Flopy e Guille:

Essas coisas não facilitam muito na hora de ir embora.. quando se fala num churrasco na "estufa" acompanhado de vinhos, anoite, tipicamente o que fizemos, daí piora para decidir se partir é melhor que ficar..
Mas tudo bem, antes desse drama, sempre dá tempo de fazer algo.
Fomos passear em outro bairro, que mais parecia campos do jordão, onde o casal vai passar o verão, fugindo dos turistas :)

E, de todo começo ao fim, não nos seria diferente, despedimos do limbo e voltamos a vida estudantil de Rio Grande sem antes passar por outro tipo de aventura, essa do tipo mais urbana e atrapalhada!
Nosso querido Clio pediu descanço no Chui.. voltou da praia até a fronteira trepidando como um "parkinson".. coitado.. bebia a 5km/l.. era a bobina e cabos, dando sinais de que o fim dela também chegara..

A solução foi clamar pelos 3 anos de seguro devidamente não utilizados e pedir um guincho com direito a taxi!! Até Rio Grande, 250km de distânica, com mais 2 cães!! Foi divertido pois o taxista faz parte de uma ong para cachorros de rua.. e, "âma-los" como a reciprocidade da frase...


Hoje o carro já tá arrumado, coisa de 20 minutos! Eu já estou aqui no PC! Os cães estão em casa! Apenas La Paloma está mais longe... voltaremos!!

2 comentários:

  1. Vc conseguiu expressar direitinho nosso feriadão!
    Mas, bem, eu acho que, como filha do meu pai, devo dizer que o Gurila é campeão... Das tantas vergonhas que ele me fez passar essa de soltar pum no taxi foi a pior... e quanto mais eu dizia que era o cachorro, mais eu parecia apresentar complicações gastro-intestinais... ai, ai, ai...

    ResponderExcluir
  2. hahaha adorei toda a narrativa.
    A homenagem de rodas pretas também!!! Vc está escrevendo muito bem Thi!!

    ResponderExcluir

É bom podermos nos entender :D